quarta-feira, 23 de setembro de 2009

A RUA ONDE MORO


A rua onde eu moro não tem casas;
só tem árvores e gente ao fundo.
E eu não tenho braços; tenho asas,
que me carregam até ao fim do mundo.

Posso voar, ver com olhos de pardal,
a rua verde e sem casas onde moro.
Alva, deserta: um vastíssimo quintal
em que não estou, não vivo, apenas choro

compulsivamente água e persistência.
Por isso aceno-me um adeus de abalar
para onde o relento me acolha ao luar,

feito nuvem, nimbo ou engenho de voar.
E sem atenças volto a ser essência
de onde mora a minha própria ausência.

13 comentários:

  1. belíssimo Poema , POETA ...
    Deixo-me ficar lendo e relendo, ouvindo a música e um cão ladrando ao longe ...
    Abraço , POETA!
    ___________ JRMARTO

    ResponderEliminar
  2. e quem se importa com casas, quando se tem asas. mesmo assim, fiquei triste...

    um beijo, joão.

    ResponderEliminar
  3. Eu gosto deste soneto, que é, provavelmente, dos melhores que escreveste. Se tiver tempo e pachorra, talvez o analise como se o explicasse a alunos do ensino secundário.
    Pessoa andou por aqui há pouco tempo, não andou?
    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. Quem tem asas no lugar dos braços, bem pode dizer que a sua rua é o mundo todo.
    Esta música... Linda!

    ResponderEliminar
  5. Um soneto que me prendeu, do inicio ao fim, como a rua onde mora a ausência...
    Abraço
    Chris

    ResponderEliminar
  6. Quando se chora persistência, a lágrima suaviza e lava a alma ...

    LÁGRIMAS(S)

    Sabes?!
    Não poderás saber!

    Finge ou desmente...

    Só sabe da lágrima
    Que deveras sente.
    (nov.2007)

    Por isso, aceno-te sem adeus de abalar,
    permanecendo!

    Beijinho
    Mª Jose

    ResponderEliminar
  7. Passei na tua rua, ao som da sonata, João, e adorei.

    Beijo

    ResponderEliminar
  8. Bom ler você neste dia que vai tomando corpo ao corpo do Universo.
    Tem um convite no meu cantinho, para você e seus amigos,
    Efigênia Coutinho

    ResponderEliminar
  9. Cheguei aqui, a esta rua sem casas mas cheia de musicalidade nas palavras, no vento e nos sentimentos e perguntei-me: por onde tens andado Graça? Voltarei, sem dúvida, para recuperar tempo...Um beijo Graça

    ResponderEliminar
  10. Meu amigo (a)
    Bom dia!!!
    Abri um blog Chamado “MIRAGEM” para uma interação entre nós...
    E para comemorar meu aniversário que será dia 27/09...
    Vou postar neste blog minhas montagens e textos e poesias de pessoas como você que tenho no meu coração...
    Estou passando meu e-mail bayer.pina@gmail.com para enviarem para mim suas criações literárias...
    As primeiras postagens farão com o tema do nome do blog que é “MIRAGEM”
    Quero assistir sempre vocês comigo...
    Tenho um carinho por cada um de vocês...
    BJKS...
    Chrys
    ;)

    “Espero vocês lá juntinho comigo”

    Endereço do blog (http://chrystinabayer.blogspot.com)

    ResponderEliminar
  11. O João consegue poemas perfeitos e de uma doçura invejável.
    A fotografia coloca-nos no centro do poema fazendo-nos essa personagem alada e que apenas vê para alem desse tempo e dessa rua.

    ResponderEliminar
  12. Lindíssimo, este seu poema da rua sem casas.
    Bela imagem, também. :-)

    ResponderEliminar