quinta-feira, 23 de junho de 2016

EXPECTATIVA


A terra corrompida como o pó de defunto,
como o pó daquilo que em pó se tornará o seu futuro.
Resta um caule de erva daninha erguido na orla
mas não será isso que me fará deixar de ser
deus e demónio de mim mesmo
(e alguns anjos para tarefas menores,
por influência ocidental e de ouvir falar);
nem a terra terá fé em vez de frutos.

terça-feira, 21 de junho de 2016

O DOM DA PALAVRA


O som da palavra, bom,
é a sua pele, o seu tom:
o bom da palavra é esse;
o dom não lhe pertence.

Meio-tom é quando abranda,
amolece e não desanda,
é som que não aquece,
dom que nem aquece nem arrefece

e o dom não flui, não sai,
nem com palavra d’honra lá vai.

domingo, 19 de junho de 2016

GALINHAS D`ÁGUA



Quando no rio brincávamos,
em tempos que já lá vão,
até nas pedras que atirávamos
palpitava um coração.

Se eram beijos ou pedradas,
perguntas com certa mágoa:
os beijos são águas passadas
e as pedras, galinhas d’água.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

CESTEIRO


cesteiro
que faz um cesto
faz
a sesta
(de segunda a sexta)

sexta-feira, 10 de junho de 2016

AS LETRAS


As letras, ai as letras, se pudesse lavrá-las,
podá-las, como seriam as palavras?
Soletram a pauta feitas pulgas, feitas putas
rodopiam nas esquinas mais sombrias
e depois saltam, as vadias,
no dorso das palavras indecisas.
Ai as letras, que me fogem das palavras
à procura de ditongos já proscritos e teimam,
a altas horas, que a exigência é das sílabas
tónicas, das rimas escorraçadas.
Quero uma palavra esdruxula, se plantada de raiz;
aguda se podada com preceito. As restantes
são palavras sem princípios, contagiadas de letras
vadias e sofrem de epidemias graves
e o texto não são versos, são frases apalavradas.

segunda-feira, 6 de junho de 2016

A CASA



Não mora quem morou antes,
antes mora quem não morou:
mora a memória que dantes
não se lembrava e mudou.

Mudou para outro lugar
longe ou ao pé da porta.
Mas se a memória mudar,
quem mudou não se recorda.

Recorda que em tempo viveu
longe ou ao pé da porta,
onde o tempo ao tempo deu
e a lembrança não importa.

Agora a casa está morta.


sábado, 4 de junho de 2016

CUIDAR DO SOL


Atava o sol, se ele deixasse,
na ponta, com um cordel,
e ficava de olho nele
do lado que mais brilhasse.
Deixava-o brincar no céu
levando-o sempre p’la mão,
como se fosse um balão
de ar quente e só meu.

Abraçava o sol, se pudesse,
cuidava dele noite e dia
e eternamente fazia
com que nunca arrefecesse.
Beijava-lhe as mãos e o rosto,
com desvelo redobrado
para ficar sempre acordado
e nunca mais haver sol-posto.

Se o sol quisesse, subisse,
se não quisesse, ficasse,
mas que desse sempre a face
do local de onde o visse.

quinta-feira, 2 de junho de 2016

CEREJAS


Cerejas, para que possam reconhecê-las,
são pequenas luas doces e vermelhas,
que tanto podem tingir a boca ao comê-las
como pender aos pares nas orelhas.

Cerejas são a carne de um desejo,
dum abraço a que a memória nos convoca.
São, além do mais, um lábio, um beijo
e a sede que a sua ausência nos provoca. 

Ah, a sede, pois, hei-de falar dela um dia,
quando suplicantes cachos irromperem
neste pomar de empréstimo, estufa fria,
onde os lábios secam e as cerejas morrem.

Então gritarei se ainda valer a pena, vede:
estas sempre foram o vosso desdém da sede.

terça-feira, 31 de maio de 2016

A CHARCA

~

Defronte da janela, que já foi ancoradouro
dos meus cotovelos e sonhos, despontavam juncos
e debruçavam-se, pesados, dois salgueiros chorões
na orla duma velha charca, sem préstimo algum,
onde eu teimava em ver minúsculos peixes,
que não passavam de girinos esfomeados
e com pressa de viver à tona
como eu, quando acudia à minha janela.
A charca, de água ludra foi, até às construções
que lhe caíram em cima, ao mesmo tempo,
o desdém  de toda a paisagem e a única fonte de vida do lugar.

domingo, 29 de maio de 2016

POEMA DOS PAUS


Os paus dos pauliteiros musicam,
dançam, saltam, encantam,
como há os paus que brincam
e brincando se levantam.

Há poetas que, neste exercício,
andam aos paus e pantomimas.
Eu ponho paus desde o início
e assim faço as minhas rimas.

E há paus de ensino,
paus juntos que viram ripas
e outros de corte fino
que são paus de virar tripas.

Aos caras de pau, simulados,
vistosos mas de fundo mau…
sobre esses paus mandados
o melhor é pôr-me a pau.

Há os nobres, com brasão,
os paus de canela e quebranto,
que são de outra condição,
para não falar no pau-santo.

sexta-feira, 27 de maio de 2016

ANDARILHO


De mim vou tão longe quanto posso. Parto
sempre quando já não me acho graça:
mas não fujo; apenas dou a volta à praça
e depois regresso quando do resto fico farto.

Há dias em que me deixo, outros vou também,
(nem sempre consciente, que às vezes é errar,
julgar que é nosso o próprio caminhar.)
E encontro o meu equilíbrio neste vaivém.

Os caminhos faço-os de presente e de futuro,
se por acaso me encontro ali por perto…
Revejo-me solene, mas é quase certo
que não é a mim; que não sou eu quem procuro.

terça-feira, 24 de maio de 2016

ARVORECIDO


Em mim habitam frutos de toda a sorte
e no rosto vai mudando a vegetação.
Envelheço como uma árvore,
morro de pé e em silêncio,
cada vez mais vivo, cada vez mais sábio.
As folhas e pétalas derramadas aos meus pés
são lágrimas. Nem todas de dor ou inquietação;
a maior parte são de água, apenas
e a sombra não comporta todo o meu corpo.
Que ninguém me aplauda ainda:
é muito cedo para morrer; tarde para desistir.


domingo, 22 de maio de 2016

SEMIOLOGIA



Para meu deleite
quero que saias,
isto é,
que te levantes
e saias.
Espera, melhor:
para meu deleite
quero que levantes
as saias.

quinta-feira, 19 de maio de 2016

SIGA, SIGA


Há quem diga
que a fadiga
é inimiga
da formiga

siga siga

se se empertiga
é intriga
se arreia a giga
logo há quem diga

siga siga

como aquela rapariga…
vizinha nem me diga…
se o pão mastiga
ninguém liga
se anda à espiga
é mendiga

siga siga

é cantiga
de quem tem mais olhos que barriga

terça-feira, 17 de maio de 2016

POR UM MILAGRE


1.

Um milagre é que me convinha, um qualquer:
daqueles com luz intermitente e em relevo;
não estes de pacotilha, mediáticos, fait divers,
pirotecnias que não dão mecha para o sebo.

Queria dos que extasiam, até o mais pintado,
capaz dum argumento com princípio e fim,
em que eu, incitador, protagonizando o diabo,
erradicasse crápulas e vilões com um só plim.

Mas não tenho esse poder, não sou capaz,
e se o tivesse, podendo bani-los até à morte,
outros viriam lestos, estrelas de cartaz,
para os repor em dobro, tal é a minha sorte.

2.

Desisti por isso da inconsequente empreitada
e assentei em coisas mais terrenas e reais:
onde até a transcendente vida airada
faz tempo que é mendiga ou pouco mais.

Porque é disso que os aduladores da esmola
esperam deste povo, eterno sacristão:
espinha dobrada a quem mata e esfola,
mas ai dele se não aspergido, estirado no caixão.

Não passa o camelo a agulha pelo fundo;
levamos nós um par de asas e passaporte,
banidos de contentamento deste mundo,
alcançando enfim o milagre depois da morte.