segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

MEMÓRIA FUTURA



A ideia de me encontrar num futuro remoto
não está completamente posta de parte:
eminente vate, rotulado de coisista, morto,
não se sabendo ainda se todo o verso é arte.

De uma coisa, pelo menos, tenho a certeza:
ninguém vai encontrar por ali a poesia,
que o legado em versos é somente natureza
enquanto a dita, com o poeta morreu um dia.

Aplaudam, no entanto, a mágica composição
de usar palavras comuns –sombras e ardis –
e com elas tanger as harpas do coração.

E interpretem, tomem-nas em mãos, como se diz,
e cantem-nas como se fosse vossa essa canção,
que também foi para isso que um dia a fiz…