terça-feira, 14 de setembro de 2010

DO SILÊNCIO


Aquele professor de cinquenta e nove
arrastava-se para o quadro
como uma lesma de meias pretas
e desenhava em cursivo
a palavra silêncio extra caligrafia

corria então um sinal de cotovelos
adiando-se no momento a aventura mais fresca

desde então sempre associei o silêncio
à respiração nasal
e a uma velha cana de quatro metros

2 comentários:

  1. Olá João,
    ...Silencio...
    Antes e depois de qualquer som...

    Abraço dos Alpes

    ResponderEliminar